Sexta-feira, 23 de Setembro
      Teoria da Literatura #76
      Steven Isserlis, no Twitter: Lovely advice from Rostropovich: When music needs to move on, the tempo should be like a dog's nose — ie same dog/tempo, but pointing forward.

[Teoria da Literatura #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 #26 #27 #28 #29 #30 #31 #32 #33 #34 #35 #36 #37 #38 #39 #40 #41 #42 #43 #44 #45 #46 #47 #48 #49 #50 #51 #52 #53 #54 #55 #56 #57 #58 #59 #60 #61 #62 #63 #64 #65 #66 #67 #68 #69 #70 #71 #72 #73 #74 #75]
Quinta-feira, 22 de Setembro
A propósito do Outono #17

Fot. de François Reumont.

[A propósito do Outono #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16]
Quarta-feira, 21 de Setembro
      A propósito do Outono #16
      É outono, creio que já o disse: a terra cheira bem. No Carmo já deve haver violetas à venda. Preciso passar por lá amanhã: tenho a quem enviar um ramo.
      E. de Andrade, A Cidade de Garrett.

[A propósito do Outono #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15]
Terça-feira, 13 de Setembro
      We grow accustomed to the Dark #59
      Paulo Ricardo Teixeira é concorrente da Casa dos Segredos 6 e o seu segredo um cargo político: líder da JSD de Marco Canaveses. "Quero eliminar o paradigma de que só um tipo de pessoas participa neste programa", disse o líder da juventude no seu vídeo de apresentação do reality show [...]
      Não querendo abusar da generosidade do jovem, sugiro outros paradigmas que urge eliminar: que o Professor Karamba não é um cientista, por exemplo, que a iliteracia atrasa um país, ou simplesmente que roubar é feio.

[We grow accustomed to the Dark #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 #26 #27 #28 #29 #30 #31 #32 #33 #34 #35 #36 #37 #38 #39 #40 #41 #42 #43 #44 #45 #46 #47 #48 #49 #50 #51 #52 #53 #54 #55 #56 #57 #58]
Segunda-feira, 12 de Setembro
      Teoria da Literatura #75
      Steven Isserlis, no Twitter, sobre os virtuosi — citando C. P. E. Bach como se fora La Palice: One meets technicians who astound us without touching our sensibilities... They stun the mind without moving it.

[Teoria da Literatura #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 #26 #27 #28 #29 #30 #31 #32 #33 #34 #35 #36 #37 #38 #39 #40 #41 #42 #43 #44 #45 #46 #47 #48 #49 #50 #51 #52 #53 #54 #55 #56 #57 #58 #59 #60 #61 #62 #63 #64 #65 #66 #67 #68 #69 #70 #71 #72 #73 #74]
Sábado, 10 de Setembro
      We grow accustomed to the Dark #58
      Elena Ferrante e a raiz profunda das burqas:
      A pele em volta do olho tinha uma cor amarelada, e o lábio inferior era uma mancha roxa com estrias vermelho-fogo. À família e aos amigos disse que tinha caído em cima das rochas de Amalfi numa linda manhã de sol, quando ela e o marido foram de barco até uma praia encostada a uma parede amarela. Durante o almoço do noivado do irmão com Pinuccia usara um tom irónico para dizer aquela mentira, e todos haviam ironicamente acreditado, sobretudo as mulheres, que sabiam desde sempre as coisas que era preciso dizer quando os homens que lhes queriam bem e a quem elas queriam bem batiam com força. Além disso, não havia ninguém no bairro, principalmente entre o sexo feminino, que não achasse que ela precisava há muito tempo de uma boa zurzidela. Por isso as pancadas não haviam causado escândalo e em relação a Stefano até fizeram crescer a simpatia e o respeito, ali estava um que sabia ser homem.
      [...]
      Sim, a explicação era simpes: víramos os nossos pais baterem nas nossas mães desde a infância. Tínhamos crescido com a ideia de que um estranho não nos podia tocar, mas que o pai, o noivo e o marido podiam encher-nos de bofetadas quando quisessem, por amor, para nos educar ou reeducar.

      História do Novo Nome; trad. de Margarida Periquito.

[We grow accustomed to the Dark #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 #26 #27 #28 #29 #30 #31 #32 #33 #34 #35 #36 #37 #38 #39 #40 #41 #42 #43 #44 #45 #46 #47 #48 #49 #50 #51 #52 #53 #54 #55 #56 #57]
Quinta-feira, 8 de Setembro
      Ars Poetica #43
      Nelson Rodrigues: eu, um fauno, desses que atropelam as ninfas nos terrenos baldios.

[Ars Poetica #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 #26 #27 #28 #29 #30 #31 #32 #33 #34 #35 #36 #37 #38 #39 #40 #41 #42]
Serão de terça-feira, 6 de Setembro
Na ilha de Ana Teresa Pereira #26




[Na ilha de Ana Teresa Pereira #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25]
Terça-feira, 6 de Setembro
      Regra número um #73
      Agustina: É preciso ter-se vinte anos para dormir nos bivaques como num leito de flores.

[Regra número um #1 #2 #3 #4 #5 #6 #7 #8 #9 #10 #11 #12 #13 #14 #15 #16 #17 #18 #19 #20 #21 #22 #23 #24 #25 #26 #27 #28 #29 #30 #31 #32 #33 #34 #35 #36 #37 #38 #39 #40 #41 #42 #43 #44 #45 #46 #47 #48 #49 #50 #51 #52 #53 #54 #55 #56 #57 #58 #59 #60 #61 #62 #63 #64 #65 #66 #67 #68 #69 #70 #71 #72]